Suculentas e cactos - Verde-si

Suculentas e cactos

As plantas são classificadas em: reino, filo, classe, ordem, família, gênero, espécie.
No entanto o termo ‘suculenta’ não faz parte de nenhuma dessas classificações científicas, suculenta é um apelido dado às plantas xerófitas que tem capacidade de armazenar água em seus tecidos: caule, folha e até raiz. Por isso elas têm na maioria essa aparência ‘gordinha’. Um fato que sempre confunde é que todo cacto é uma suculenta, ele armazena água em seu caule, porém nem toda suculenta é um cacto.

As Suculentas abrangem uma enorme quantidade de gêneros de plantas, os mais comuns são os Aeonium, Crassula, Echeveria, Graptopetalum, Kalanchoe, Pachyphytum, Sedum, Sempervivum.
Cada uma delas tem suas preferências e cuidados.
 
 

Suculentas são plantas fáceis de cuidar, que exigem pouca manutenção; atenção á isso, pouca manutenção é diferente de nenhuma manutenção. Elas são praticamente auto suficientes, basta você entender algumas características principais.

Vaso

A Primeira coisa que deve se atentar ao cultivar suculentas é o vaso, que precisa de um furo para facilitar a drenagem da água, ou um vaso de barro ou cimento que tem a capacidade de sugar a água, permitindo a entrada de oxigênio no solo e nas raízes.

Substrato

O solo deve ser bem poroso. A água deve passar sem dificuldade e sair pelo furo rapidamente, o recomendado é fazer uma mistura de substrato e areia.
Para manter as suculentas bem coloridas, deve se usar um substrato pobre em nutrientes, isso mesmo, você não leu errado, pois no habitat natural da maioria delas o solo é bem pobre, isso causa um estresse na planta e faz com que ela produza antocianinas que são responsáveis pela coloração diferenciada delas.
Ao fazer a mistura de terra e areia o ideal é se atentar a textura da terra, ela deve ser leve e porosa, o ponto é amassar uma pequena quantidade na mão e ela não compactar.
 
 Adubação

A adubação pode ser feita de forma espaçada, cerca de 2x ao ano. Pode ser no início do inverno e no início do verão. Existem diversos tipos de adubos, naturais e químicos.
  A adubação química deve ser feita de acordo com as instruções do fabricante contidas na embalagem. A mais comum é a 10-10-10, que possui quantidades iguais dos macronutrientes Nitrogênio (N), Fósforo (P) e Potássio (K). É válido ler a fórmula e identificar os micronutrientes presentes também, quanto mais variados melhor!

Drenagem

A drenagem é fundamental quando se trata de plantar suculenta, pois é ela que vai garantir que a água não fique empoçada no substrato. Nessa etapa pode ser usado cascalho, pedrinha de aquário, argila expandida, brita, pedaços de madeira, pedras e até isopor!

Nenhum desses materiais tem a função de nutrir a planta, mas são essenciais para saúde delas. Fazendo uma boa camada de drenagem a água entra e sai com facilidade e garante que as raízes não apodreçam.

Rega

A tão temida rega! Ao contrário do que muita gente pensa, as gordinhas gostam sim de água, porém elas têm a capacidade de armazenar água, por isso a rega delas é diferenciada das outras plantas. Uma dica que nunca falha é fincar um palitinho de churrasco até o fundo, se ele sair sequinho já pode regar. Isso vai acontecer de acordo com o clima, se estiver bem calor a água tende a evaporar mais rápido e no frio, mais devagar. Só regue quando o substrato estiver completamente seco.
Evite sempre de molhar a folha da suculenta, pois a gota de água junto com o sol pode acabar queimando, outra dica muito legal é criar o hábito de molhar as suculentas no fim do dia, assim a planta consegue sugar mais água, durante o dia, o calor do sol faz com que a água evapore mais rápido restando menos água para a plantinha.


É necessário se atentar a quantidade de água, se você seguiu todas as dicas deste post você plantou sua suculenta em um solo bem poroso, com uma camada de drenagem bem espessa e em um vaso com furo, então você pode regar a sua suculenta sem medo de ser feliz, pode regar até a água escapar pelo fundo.

Se você ganhou ou comprou sua suculenta em um vaso sem furo, ou em um terrário, preste atenção:

1-Faça o teste do palito
2- Regue bem no pé da plantinha, uma quantidade que você perceba que a terra em volta ficou bem úmida.
  
 Pronto!

Com o passar do tempo você se acostuma com cada uma delas, regar se
torna super simples e uma das etapas mais gostosas do cultivo, confie em mim!

Sol

Sol é o melhor amigo das gordinhas, mas se não tomar cuidado pode matá-las. Algumas suculentas preferem mais sol que outras, para descobrir a preferência das plantinhas a melhor solução e testar.
Como todas as plantas, existem suculentas de sol pleno, aquelas que aguentam o sol do dia todo, e precisam de no mínimo 6 horas de sol por dia para manter suas características originais, plantas de meia sombra são as que se queimam com muita incidência solar, mas precisam de cerca de 4hrs de sol por dia.

Já as plantas de sombra, são as que se queimam com o sol, mas apreciam um ambiente iluminado. 

ATENÇÃO

Nunca coloque sua plantinha direta no sol pleno, elas precisam se adaptar ao ambiente para não torrar, isso porque mesmo que ela seja uma planta originada de regiões quentes, o modo o qual ela foi cultivada antes de chegar as suas mãos é desconhecido. Eu já consegui queimar um cacto, então siga essa dica de verdade. Combinado?
- Adaptação ao sol
1. Coloque a plantinha em um lugar que ela pegue bastante luz, mas que bata sol por no máximo 2 hrs por dia, deixe ela assim por uma semana;
2. Na segunda semana mude para um local também com bastante luz, mas agora com 3 horas de sol;
E assim sucessivamente até adapta-la ao sol pleno (cerca de 7hrs de sol diárias). Vá percebendo o aspecto e as cores da sua plantinha, ela vai te dizer a quantidade de sol que ela prefere. Não tem segredo, você logo conseguirá perceber o que a plantinha mais gosta.
Mas para facilitar a sua vida preparei uma lista com as suculentas mais comuns e suas preferências


Mudinhas
 
 
 
Fazer mudas de suculenta é extremamente simples. Existem vários métodos, mas todos têm basicamente o mesmo resultado, vou ensinar três dos principais aqui.

Broto por folha

Retire cuidadosamente a folha do corpo da planta fazendo movimentos da esquerda pra direita ou girando folha cuidadosamente, fique atento para não quebrar a folha. 
Você pode deixar a folha descansando em um prato sem substrato até sair às raízes, ou pode colocar a folha direto no substrato. Os dois métodos funcionam e o tempo para brotar é bem semelhante.

 Por caule

O caule também pode originar outros brotos, basta deitá-lo sobre a terra e esperar algumas semanas, ele cria raízes e em seguida o broto que saíram também pelo meristema.

Por raiz

Se você cortar sua planta para fazer uma decapitação as raízes ainda poderão dar novos brotos, basta manter plantada, regar normalmente e colocar em um local com bastante luz.
 

Produtos deste post:

Posts relacionados

Plantas Exóticas

Plantas com uma estética única, com cores e formas que vão fazer seu coração parar!...
Por Maria Tereza

Kokedamas

Todos os segredos revelados! Cuidar da sua kokedama é fácil sim, e eu posso provar....
Por Maria Tereza